quinta-feira, 24 de julho de 2008

Te sinto.

O chão que piso diminui e
Um ou dois lugares vejo,
Aquele vento breve já se vai.
Meu rosto é o oposto do mundo.
Se te olho firme e não te basta
Me canso, já, ver-te piscar.
Aqui na janela ela não passa,
Do frio que foi,
Nada ficou.

Um comentário:

angeloreale disse...

Creio que a pior forma de deixar que algo se vá, é que se vá pela frieza.

A morte lenta, gradual e dolorosa, de ver algo esvair-se mediante a sua impotência.