sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Fin du Monde

Desprezo a previsão,
O troco,
A troca.
Levo assim o acaso
Ao seu caso,
À sua casa.
E não se desespere,
Nem me espere,
Ou se esmere.
O que não se vê
É o que não se vê.
Fim de um mundo,
Começo do nada.
Ou só a dobra na estrada.

5 comentários:

freeeKs disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
freeeKs disse...

puta, caralho. que belo, Thie! viajei nas construções, nas imagens!
muito bom!

Ócio disse...

Lindo! Não tinha visto esse...
como sempre, babo por seus textos.

angeloreale disse...

A cada vento que toca a minha face,
sinto uma vontade imensa de viver.
A cada curva na estrada,
um novo vento vem me ver.

lalai disse...

aaah! muito boom!!!
eu sei que faz mto tempo, mas é que eu ando negligente c/ tudo isso...
mas enfim.
mesmo! mesmo! amei esse! ;D