quarta-feira, 14 de abril de 2010

O deitar

Deitam nos lençóis verde claro
Que cobrem o corpo devagar
Batidas de um coração vazio
Imenso como a cama que se estende
Completamente cheia de sono
Dorme,
Esquinas de vapor
gotejam
a noite.

Um comentário:

aperitivopoético disse...

preciso dizer que minha noite foi parecida com seu poema???

rsrsrsr

até a cor...

bjus