quinta-feira, 15 de abril de 2010

O lembrar do sono

Silente em minha cama larga
cai o céu pra deitar em mim
cobertor, pó de estrela e jasmin
dançam juntos madrugada adentro
A pele sente outra pele perto
noite de um corpo descoberto
trinca e arrepia com frio
o calor doutra pele certa
de sonhos e lençóis de seda

Um comentário:

aperitivopoético disse...

pra mim isso tudo é pura seda, seda pura =)


Parabéns poeta!!!

cada dia melhor...