terça-feira, 13 de abril de 2010

Orquestrado

Sublimo entre minutos sem bordas
Surdo, o mundo me leva
Distante do destino que espera
Aquecer as mãos que já não tocam
A face do espelho que me mostra
Noutro rosto, tão suave a vaidade
Me carrega, música poente
Sinfonia calada
Grita no peito
Delirante...

2 comentários:

aperitivopoético disse...

"o buraco do espelho está fechado
agora eu tenho que ficar agora
fui pelo abandono abandonado
aqui dentro do lado de fora"

Arnaldo Antunes

Sempre que te leio, algum outro texto imdeiatamente aparece na minha cabeça, lembrei desse...

Beijocas!

aperitivopoético disse...

imediatamente*