domingo, 18 de abril de 2010

Só dela

Som particular do despertar
tira o ar, queima, pele
a mente já não é só dele
desbravada por olhos longínquos
Ninam a manhã e poesia
filhos da mesma união
uma só construção
e as vontades de um colchão

Um comentário:

aperitivopoético disse...

os olhos longínquos, o pensamento não.

Beijos poeta!