sábado, 15 de maio de 2010

semeador

A nuvem desce como cobertor
e sobre a casa grande pousa leve
molha, encharca, inunda meu jardim
retoques das cores que não haviam em mim
em cada gota sua que em breve
tocar a minha face com todo calor

sou hoje o templo onde seu sorriso se esconde
fascínio e areia de ampulheta

Nenhum comentário: