sábado, 27 de novembro de 2010

canção de ninar

vertiginosamente desço
cortando céu em meio acorde
brilhando muito
descendo muito
rasgando a seda azul-clarinha
batendo os pés no alto monte
tomando impulso pra outro salto
deixando a noite meio sem jeito
cambaleante, quase sozinha
mergulho mar por um segundo
apago em mim, que já fui sol,
sonhos e raios, o meu sorriso
me visto todo em arrebol
me ponho em cama
de horizonte

7 comentários:

Be Lins disse...

Seus dois últimos coments foram interessantes demais.
Quero agradecer sua atenção. Você me parece um daqueles moços muito finos, quase de outra época, épocas em que homens eram gentis.

Ok, sem nostalgia, você é gentil.

Sobre o samba, achei a frase bonita, a foto poética, e a soma disso tudo, coisa de balanço.

Falando em balanço, sua canção de ninar só seria mais perfeita se cantarolada baixinho, até o sonho chegar.

Boa Noite!

Steph disse...

uma verdadeira graça, lindo seu blog..

beijos

Nane Albuquerque disse...

lindo, meu querido. tens um dom. não desperdice-o. um beijo de pôr-do-sol ^^

♥ Pri - NSNL ♥ disse...

LIndissimoooo... como sempre parabéns!

Raiblue disse...

Na cama do horizonte levito
sobre a linha do Equador me equilibro
Em um hemisfério minh"alma dança
N'outro meu corpo arde em tramas

Ao longe a miragem do tempo
dunas de silêncio
sobre o lenço azul do céu
deserto ameno
dos meus vícios e veneno...

Oásis de sol
no olho da tarde
que me desnuda

sou toda mar
por trás das dunas...


Obrigada por me ins_pirar, Thiago!!
Teu poema é de uma leveza incrível...

Apaixonante...

Besitos...
Rai...
Blue

Breno disse...

Porra meu primo!
Você é foda!
Não tem outra palavra pra te descrever!
Parabéns!

Arco Irís disse...

Uma canção de ninar com essa ia me dar insônia.