terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Crua

flutue comigo
o ar nunca senta
tempo nunca para
eu e você, esquenta
dói e repara
sou dono de mim
senhor da vontade
escrava de sua mão
e toque perfeito
sincronismo circular
só pra dizer ao mundo
queira ele ou não
nasci para amar
e pra morrer
como o ar que nunca para
ou o tempo que não senta
meu eterno querer

flutue comigo


(sim, é pra você)

2 comentários:

Be Lins disse...

Tão lindo
esse poema.
Na verdade, eu diria
a d o r á v e l .


Saio suspirando.


Beijo

Be Lins disse...

Queria mesmo ser de outro mundo,e se fosse o caso,
te convidaria para me visitar.

Será que vc aceitaria o convite?

Tarde boa!


*