quinta-feira, 14 de abril de 2011

chama

por um fio
estilhaços de cacos
de gente
que queimam
um curto pavio

fogo de vela

bem

respinga tinta
a chuva fina
aproxima
tão alto
ou esquina
desdobra
respingo vez
danço baixo
canto da sala
que falo devagar
e suave
canto breve
e talvez
no fino jazz
a alta chuva
caia

segunda-feira, 11 de abril de 2011

sal

três passos pra trás
abismo e firmamento
continentais lacunas
estonteantes colunas
oblíqüas
longínqüas
na borda do mar as espumas
particularidades
dos grãos
de areia

quarta-feira, 6 de abril de 2011

rasura

sou o pé que desvia
da pedra certa em caminho torto
e tropeça
por olhar pra trás

sertão

rebate o sol
no couro que retrai
instintivo e reclamante
só por não ser
seu
o calor

segunda-feira, 4 de abril de 2011

pisar

"A vida é sonho"
Waly Salomão



do passo incerto
pouco sei
pedra por queda
destropeço contra meu jeito
equilibro em minha natureza
sempre esbarrante
desastrada

pé ante pé
desistida estrada
some à vista
do horizonte passado
o hoje é ponto
intercessivo
arrasador
acalmador
e delirante