domingo, 8 de maio de 2011

o silêncio é luxo

Tremem pesadas as arestas de mim
mesmo eu, que sempre fui aluado
percebi que nunca fui assim
de amar baixinho, este amor calado
mas que ainda
é
amor.

5 comentários:

Raiza disse...

...

L. disse...

Nao importa quando tempo passe, entrar no seu cantinho sempre me trás a sensação de abrir a página mais bonita do livro. Quantas palavras lindas de uma só vez.

A gente grita muito para depois amar baixinho. E como isso é lindo :)

Gabriela Lopes disse...

Adorei ver minha epifania transformada em poesia. Achei muito doce o texto.

lidianemotha disse...

Já tinha visto Thie!
faz parte das minhas leituras matinais!
o amor ganhou um outro grande movimento, o silêncio.

Be Lins disse...

Thie,
seja feliz, moço bonito!
muito feliz na sua nova data.

Não se preocupe com nada que escape do território do bem estar, das boas convivências, das leveas e gostosuras do viver, pois,
todo o peso do mundo não passa de bobagem e ilusão.

Clair de Lune é a canção das almas sensíveis, fico feliz que a tenha encontrado por perto na tua data querida.

Grande beijo.


*