segunda-feira, 15 de agosto de 2011

domingo

caricia mansa
nunca cansa
enovela burburinhos noturnos
e tece roupa de aconchego em dia frio.
lã que só firma no couro disposto
a doar alma e coração
em troca de um pouco de calor humano
nos dias de verão,
mesmo contra todo gosto
até quando arde o rosto
de vontade de um beijo,
mesmo aquele de raspão,
dispara furioso o peito suplicante,
o balanço de rede supera
qualquer futuro glorioso.

2 comentários:

tuyo disse...

Meu caro, muito bom ler sua mensagem.

Escrever apaixonado é sempre especial... Por isso o aconchego. rs

Se der metade do gosto que tenho ao ler suas coisas aqui, já me dou por satisfeito.

Saudades

grande abraço

angeloreale disse...

volto a transitar por suas gavetas e te (re)descubro sublime.

o balanço de rede me faz sereno nos seus versos.

um beijo saudoso