domingo, 16 de outubro de 2011

tratado geral das grandezas do íntimo

meu grito é baixo
pra te pegar de surpresa
empurrar pelo sofá
em cima da mesa
arrancar sua roupa
sem desvidrar do pescoço
pra pedir perdão com o corpo
quando a boca já não sabe o que dizer…
te mostrar da cama
o céu que fiz
de recorte e cuidado
brilhando fraco no canto do quarto
enquanto dorme sem preocupação
Amor seja deus ou Deus seja amor,
tanto faz
nada é pra mim tão delicado
tão inacabado…

2 comentários:

Mila Araújo F. disse...

"nada é pra mim tão delicado
tão inacabado..."

saiu da minha boca tuas palavras, ou se fizeram minhas durante a leitura?


muitos beijos, thie

Be Lins disse...

Estremeço estranhamente
aqui.