quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

sinfônico

orquestrado
no teu silêncio
sigo tuas mãos
cabelos, andar
passo a passejar
no trincar de olho
suas emoções emergem
transbordam
translucidamente enebriante.
no silêncio
danço tua valsa,
chorinho,
quase samba,
já nem sinto
quietos
os minutos que vão
longe
vão
segundos sem medida
de tempo sem som.

Um comentário:

Monique Monteiro disse...

Dança, valsa, chorinho... Essas coisas me lembram tanto de mim e de coisas que escrevi e vivi há um bom tempo. Belo poema, Ti. Beijo