quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

sobre a luz do dia

as vezes dá vontade de falar
das luminárias,
pequenos sóis
particularmente ridículos
na falha empreitada
de alumiadoras
pouco encantadoras
fracas luzinhas
ínfimos candeeiros sem gás.

mas isso tudo é só porque
nas noites,
cômodos e incômodos que a escuridão traz
arrancando de mim aquele olhar que inclina
tentando ver no escuro algo assustador
não faz mais sentido

isso tudo é só porque
claridade tem nome,
sobrenome,
quiçá um dia, meu endereço...

Um comentário:

Isy Celindri disse...

Isso ai tem final feliz. Ja to sabendo!