segunda-feira, 26 de março de 2012

e se me calo
é teu silêncio
me atravessando
extransbordando
pelos meus poros
arrastado pelos cabelos
pra emergir
na boca

tanto quis dizer
e não pude,
é que eu me calo
pro teu silêncio
passar por mim,
(é só respeito
pelo seu jeito
pedra de ser)
mas é que à noite
tudo dói mais
e o corpo fala
contra vontade
entrega a dor
de amar
calado

Nenhum comentário: