terça-feira, 20 de março de 2012

poças

descansa suas dores
nas rasuras, infunduras da minha superfície

mas mantém olho aberto
três passos
e já não há volta;
pra lá das pedras
o mar é cais
e só não afoga
quem souber nadar.

Um comentário:

tuyo disse...

Joga-se de cabeça sem se preocupar com as pedras... pra ele é tudo sempre mar.