quinta-feira, 1 de março de 2012

tango nas ruas

passos caminhados contra o tempo
contra vontade dos pés
contra a natureza
da eternidade que há
num segundo,
das paradas abruptas
trancos secos no ar resistente
só os sustos das roupas
ficam
passam no correr pesaroso
imperceptível
e ficam
aquém.
a vontade de chamar-te
e que sentasse comigo
mãos enlaçadas
à beira da vida
passa,
e ao vê-la passar
passo o ponto
passa o tempo
quando
sei o quanto não entendo

Nenhum comentário: