terça-feira, 24 de julho de 2012

prainha

poesia perene
incandescida dos riachos meus
por sobre pedra
tal coube mar
poça se fizesse chuva
valeria chorar
simpatia solene dos homens
que eu não soube ser,
saudade imarcescível
e praias de minha infância,
oração peritura,
só amor começa

Nenhum comentário: