quarta-feira, 17 de outubro de 2012

o burburinho aceso
da praça Quincas Berro D'água
apago no chorinho
e nas tatuagens
a conta pendurada
o cumprimento do preto velho que passa
ladrilhos de são Jorge revestem a casa de Amado
a casa do meu pensamento
chove no Pelô,
santa Luzia que me acuda
nos meus olhos tristes
de ouvir Caetano
pra descer a ladeira da montanha
aos trancos e barrancos
arranco do ar os ventos
pra por nos pés e voar
vela solta de barco errante
eu devia ter ouvido vó
e ter virado caxeiro viajante
saudade ia ser o tempo todo
pedaço que eu guardo no pescoço
ao invés de ter virado pescador
e deixado a saudade ser inteiro
um mar tremido
e estampido
nos meus olhos tristes de ouvir Caetano
camisa rasgada e Caetano
sem um puto no bolso
Santa Luzia que me acuda...

Nenhum comentário: