sexta-feira, 2 de novembro de 2012

nada desimporta
despedaços, vidros
criados feito gente
fogo de Nero adentro
acresce a vontade de brilhar
incêndio imenso
na pele pista de dança
teus dedos sapateiam
entre cacos e os perigos
de corte

é corte estendida
sem platéia
assim, sem corte
caço cacos e ignoro

Nenhum comentário: