quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

efim

sou novo
de
novo

passa tudo quanto passa e nada fica
dos caminhos mal percorridos
dos tropeços
nem as unhas
do pé sujo de barro
mantive
cortei os pés
agora
meu negócio
é
voar

Um comentário:

aperitivopoético disse...

não é de agora, seu negócio sempre foi voar...gostei dos escritos =*