sábado, 27 de abril de 2013

todavia

não sei falar de amor. não sei falar de futuro, vida à dois, falar de sorte, falar de morte, da maioria de meus pouquíssimos e bons amigos. não sei falar da minha vontade de ir embora, de cafuné quando fico doente, aprender mais uma língua, ser um cozinheiro gourmet e sempre inventar receitas. não sei. não sei sequer se sou boa pessoa, namorado que preste, filho decente, amigo presente, gente que faz falta. não sei falar poesia, poesia dos outros é sempre melhor, não recito, prefiro receita, queria tanto uma receita, escrever ou cozinhar às cegas não dá. não sei falar, mas que mal há?
poesia
da rotina
é silencio

Um comentário:

Laís de Almeida disse...

saudades. vejo que tenho muito a recuperar dessa poesia de beleza que não se acaba, mesmo depois de tanto. un beijin pra ti. :)