terça-feira, 6 de agosto de 2013

meio sono

ao olhar
não há;
passa o tempo
e ela se tatua
com meus dedos,
sai de casa doida
varrida
diz que na noite
é que se tem vida,
volta partida
rasgada
sofrida,
e na madrugada
poe na mesa da minha copa
café bem quente,
biscoito, louça 
e coração.

Nenhum comentário: