domingo, 1 de junho de 2014

amor nos tempos do nada


feito um terminal
pessoas passam,
cabeças baixas,
passo depressa,
sem muito reparar, 
e o medo de mudar
de rota.

tudo é desencontro
de mãos.
esbarros
e um relógio central.

Nenhum comentário: