quinta-feira, 12 de junho de 2014

curva perigosa

vesti teu espartilho
e te chamei de minha,
apertei tanto
tantos sentidos
engasgados.
emaranhos presos
entre costelas
e ferragens
de um acidente natural
de tudo que engoli
com o que nunca disse.

Nenhum comentário: