quarta-feira, 11 de junho de 2014

na mão.

engulo minha língua
e todos os dentes,
e a noite que passa
muda e banguela
me atropela
sem nenhum grito
de aviso
ou desespero.
desacostumada boca
de vazio.
dessorriso
vago.

Nenhum comentário: