quinta-feira, 30 de abril de 2015

love feat hax

impor no ar
ali no canto da sala
o som.
pus nossa musica
pra sentir
vir na fumaça,
na quase luz
a guitarra
que ouvi
língua na língua
aquele solo
no meio
de dois. 
 


quinta-feira, 23 de abril de 2015

censura

não tenho muito o que dizer
quando não posso,
por questões contratuais
de contextos 
e consenso
cretino e coletivo,
dizer um pouco 
sobre o que
só diz respeito
à mim.

espero que fique clara
a ditadura
e a rebeldia. 

quarta-feira, 22 de abril de 2015

espuma

desfazer rimas
na beira 
na borda
maréonda.
deixar ir sendo
quando
medroso, arenoso
seu azul vier por cima
por qualquer lado
fazer a praia.

ser 
um e um
são
dois
no meio do nada
o vento
e água 
pra tanto tempo
que nunca mais
eu vou embora
do seu
ser 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

charme

a vida em preto e branco:
espanto
e alarme.

a sala ampla

tudo mudou;
em tudo um pouco
daquele filme, do nosso charme. 

quinta-feira, 9 de abril de 2015

ultimato.

atiro alto tuas cartas
teu drama
o lençol de tua cama,
pra dizer que não.

 não aceito mais.
não mereço mais.
despenteio mais.
é ultimato:
                 (mentira)




 ainda guardo teu bilhete
na carteira
no bolso
no
olho.

sábado, 4 de abril de 2015

trança

teu fio de cabelo
dentro de minha camisa
de noite;
depois do dia
do suor
do sorriso;
é a poesia que eu encontro
pra dormir
do seu
lado

quinta-feira, 2 de abril de 2015

bastille

brande tuas espadas
against my arms

nada vai
ficar impune

just keep
lovin

já eu
nem sei
de onde veio
o primeiro tiro

a distância

sempre entendi
tua presença
em todos os
cômodos
em todos os
traços
em qualquer
dos espaços

sou preso
nas suas fronteiras

a distância

descansa teu peso
em meus calos
pra sempre,
ou pesa mais um pouco
em cima de mim
de manhã