quarta-feira, 27 de maio de 2015

Delta

todo dia que o dia
vira sol  
e é amanhã,
depois das três,
um mês, quiçá 
eu ainda espero
e tanto quero
que tudo faça
sentido 


segunda-feira, 4 de maio de 2015

Além

Coragem é dizer "Sim". É fácil olhar para o mundo errado, para as pessoas que aparentam trilhar caminhos tortos, olhar com olhos de não ver direito, colocar tudo no mesmo balaio, como diria minha amada avó, e virar a cara para o futuro. Dizer não é um alívio, isenta da responsabilidade sobre qualquer desastre ou catástrofe social que venha a acontecer, sobre inclusive a responsabilidade dos próprios atos, aquele jeito cretino de olhar para as coisas e pensar: "eu tinha dito que não daria certo". Eu quero o sim, pra variar. Olhei pra todos os erros dela, os aparentes, ouvi falar bastante da absoluta falta de coerência de seus pensamentos e ações, seus medos, seus anseios, sua loucura, suas manias, seu ciúme, sua falta de capacidade de acreditar no mundo, e tudo isso me deu um nó. Me vi ali em pé de frente pra mim cheio de medo do primeiro beijo, e a boca dela eu já conhecia, o abraço, o carinho, o profundo vazio de sentido em tudo, dela, também era meu. E conhecia todos os detalhes dela por me sentir desenhado por sua fala auto-descritiva, fui me sentindo em casa. Cada defeito nosso se encontrava e brilhava no escuro de algo que eu fui formando devagar, Porta, Tapete, Mesa de Centro, lá Dentro, eu sabia que podia sentar e dormir vendo séries em cima dela, era meu lugar no mundo. Coragem é dizer sim, principalmente quando dizer "sim" é tudo que resta, o "não" me livraria do conforto de um toque macio, do medo de crescer, do absoluto pânico irremediável de olhar nos olhos dela e me sentir perdidamente apaixonado, deixar a barba do tamanho certo, dobrar a manga da camisa no recorte perfeito do perfume que eu sei que ela gosta de cheirar, sonhar em sentir o aroma do café que eu um dia quero preparar enquanto ela dorme. "Sim"? Eu me calei para as dúvidas, pro erro, pra qualquer que seja o problema que possa vir. Amar é mais ou menos assim: o silêncio da certeza de que dias melhores virão...