quinta-feira, 30 de julho de 2015

proibido nadar

é sempre bom
lembrar
que todo mergulho
que mirei fundo
(dentro)
foi acidente
de
pernas e asfixia
no mar
na beira.

talvez minha mira
nao seja
certeira.

sábado, 18 de julho de 2015

mesa

antes de apagar a luz,
abrir o pote
de geléia,
deixar ali, às moscas,
feito
não quisesse estar alí
nem gostasse do sabor
não sentisse
que era minha
a mão
do abandono.

terça-feira, 14 de julho de 2015

sem jeito

um jeito torto
de transformar
tudo sempre
em quase,
muito feito talvez,
fosse mais
do mesmo.

sábado, 11 de julho de 2015

estrangeiro

eu nem preciso
de rima
ou
forma
pra dizer
que nada
na vida
devia ser
dito
sem
poesia.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

corta

perdi o meio
do filme

e vi as cenas de novo
pra ver se acredito
o quão distante
em tanto escuro
por quanto tempo
em quais momentos

filmei

ou era eu
ali
sentado
sem saber pra onde ir