sábado, 22 de agosto de 2015

passagem

só pra lembrar
que eu ainda penso
naquele dia
aquela manhã
o mundo dormia
e eu sentado ao lado daquele ofurô
tentando entender
a coragem de ir embora
a vontade de
ser
fotografado ali
e você só dormia
sem pensar em nada.

àquelas tuas delicadezas.

tudo é sempre
a mesma coisa
um ver o que não se veria
nos outros, nas outras
em quem quer que passe
que tente
ficar
na minha vida,
mas sem saber
ao certo porque tanto eu queria
que fosse ela;
o resto todo padece
de poesia.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

luz alta

aquela sensação
de carro 
na estrada de noite
no meio do goiás
que há entre tudo que nunca entendi
o além.